Genocídio Indígena

Flipoços debate genocídio indígena em mesa inédita

"Bate-papo conta com líder indígena e escritor Aílton Krenak e com as autoras Betty Mindlin, Andreia Duarte e Rita Carelli"

 

Em um ano de relevantes mudanças no panorama nacional, a 14ª edição do Festival Literário Internacional de Poços de Caldas, o Flipoços, que ocorre entre os dias 27 de abril e 05 de maio, vai discutir assuntos urgentes, como a questão indígena.

Nessa edição do Festival que a temática será “Literatura sem fronteiras”, enaltecendo o valor da mistura de culturas, raças, gêneros, línguas e povos variados na formação brasileira, os indígenas são parte fundamental na construção da cultura do Brasil e na nossa formação como cidadãos. A mesa sobre o tema ocorre no dia 29 de abril às 19h30 no Teatro Benigno Gaiga, no Espaço Cultural da Urca.

Entre os convidados que já confirmaram presença estão o líder indígena Ailton Krenak, autor de livros como O lugar onde a terra descansa”, a antropóloga e escritora Betty Mindlin, a pesquisadora de povos indígenas e atriz Andreia Duarte, atriz da peça “Gavião de Duas Cabeças”, que denuncia o genocídio e a situação dos povos indígenas e a escritora e cineasta Rita Carelli, autora do livro “Minha Família Enauenê” e também da coleção “Um dia na Aldeia”, feita em parceria com a ONG Vídeo nas Aldeias, cujo o título “A história de Akykysia, o dono da caça” foi premiado pelo White Ravens e com o selo  Altamente Recomendável pela FNLJ.

Para a curadora e organizadora do festival, Gisele Corrêa Ferreira, uma mesa sobre a literatura indígena é fundamental neste ano. “Nós tivemos o cuidado de pensar esta temática e de, com o apoio da Betty Mindlin, formatar esta mesa, em que o debate sobre o genocídio dos povos indígenas e a literatura, bem como a arte, feita a partir desta pauta, torna-se obrigatório. Será uma mesa de altíssima qualidade intelectual e indispensável na nossa programação, visto que os povos indígenas são inerentes à nossa formação”, declarou.

Os convidados para a mesa protagonizam uma série de ações que já fomentam o debate sobre a causa indígena. Andreia Duarte, que viveu cinco anos no Xingu, diretora da peça “Gavião de Duas Cabeças”, já traduzida para o francês encenada na França em 2018. Andreia também
É organizadora do livro “MoronoetaKamayura”, de TakumãKamayura e KanutaryKamayura. Rita Carelli representa Betty Mindlin na série ficcional de cinco epísódios "Diários da floresta" dirigida por  Luiz Arnaldo Campos, exibida no Canal Brasil e inspirada no livro de mesmo nome, este o conjunto de registros biográficos não ficcionais das viagens de campo de Betty Mindlin aos PaiterSuruí de 1978 a 1983. 

Ailton Krenak é ativista indígena da etnia Krenak e fundou em 1988 a União das Nações Indígenas e, em 1989, o movimento Aliança dos Povos da Floresta. Atualmente, dirige o Núcleo de Cultura Indígena na Serra do Cipó, em Minas Gerais. Em 2016, recebeu o título de ProfessorDoutor Honoris Causa da Universidade Federal de Juiz de Fora, onde leciona, naespecialização, as disciplinas “Cultura e História dos Povos Indígenas” e “Artes e Ofícios dosSaberes Tradicionais”.Krenak é também roteirista e apresentador as séries de TV, jornalista e escritor, com livros e artigos publicados em diversas línguas, além do português.

 

Krenak é um dos convidados para o debate


Betty Mindlin é uma das escritores que integram a mesa